domingo, 3 de fevereiro de 2013

Dez mandamentos para bem liderar



      Dez mandamentos para bem liderar
    
     Nas atribuições diárias do líder ou gestor, é comum acumularem-se afazeres - agenda, reuniões, imprevistos de última hora, etc. Nesse corre-corre, às vezes se esquece de refletir sobre como bem tratar os liderados. E ao se dirigir a eles, imperceptivelmente, acaba por se expressar mal, dizendo o que não deveria dizer, perdendo a fleuma e revelando ser quem não é.
     Inspirar fundo e refletir nos momentos agudos é necessário. Palavras, ou atitudes “não simpáticas”, devem estar revestidas de um caráter profissional para não melindrar relações. Algumas considerações a observar:

1.Evitar demitir um profissional que aparentemente não se adaptou na função. Deve-se dar uma segunda chance. Talvez transferi-lo de função, horário, setor... Há casos de um jogador que é um péssimo goleiro, mas é um excelente centro-avante.

2-Exercer o comando como deve ser um líder: calmo, sereno, tranquilo. Não o fazer sob o império do medo, pressão ou ameaças. Não menosprezar ou ofender moralmente um funcionário. Ao valorizá-lo ele será leal; ao enaltecê-lo será um aliado.

3-Ao determinar um trabalho para um profissional hábil, não aceitar o serviço pronto tipo “mais ou menos”, ou “quebra-galho”... Deve-se exigir qualidade, de ótimo para cima.

4-Ter sensibilidade no trato com funcionários de minorias étnicas, homofóbicas, diferenças de religião, etc. Evitar brincadeiras irônicas ou depreciativas. Há que tratá-los de igual para igual como pessoa e profissionalmente, respeitando suas opções e desigualdades.

5-Escolher um sub-líder na equipe, alguém responsável, capaz, de plena confiança, um “alter-ego”. Prepará-lo para que ele possa substituir o titular numa eventual ausência, ou mesmo para ser também um futuro líder.

6-Não misturar negócios e amizade dentro da empresa no horário de trabalho. O lado profissional deve sempre se sobrepor ao particular. Não dissociar esse fato pode fazer o líder perder a voz da liderança.

7-Ser firme no comando e fazer ver essa firmeza. Ao demonstrar fraqueza os outros podem se fortalecer e deter o controle da situação.

8-Se o líder é bacharel ou doutor, diante dos mais simples há que despir a toga da superioridade e nivelar-se a eles quando o momento assim exigir. É imperioso tê-los lado a lado e não dispersos, rivalizando ideias e contestando ordens.

9-Assim como o líder repreende um subalterno, de repente pode ser repreendido por um superior. É imperioso manter, sempre, equilíbrio e serenidade.

10-Um líder não deve entrar em sua sala ou setor e refestelar-se em sua cadeira vendo o “tempo passar”, deixando suas atribuições para outro. Líder é autoridade e a liderança é vital. O ´descomando´ nada produz e pode prejudicar o que for produzido.

     Inácio Dantas
     Do livro Epub “Gestão e liderança descomplicada”
     www.amazon.com.br

Um comentário:

Maria Catherine Rabello disse...

Oi!
Obrigada pela visita, seus textos são interessantes.Parabéns!

Feliz vida! Beijos!